Portal de Eventos do IFRS, SICIT (2017)

Tamanho da fonte: 
Observatório de neologismos da língua portuguesa: o caso dos estrangeirismos
Giovana de Lucca, Kleber Eckert

Última alteração: 30-10-2017

Resumo


Neologismos são novas palavras que ainda não fazem parte do léxico de uma língua, ou seja, são palavras ainda não dicionarizadas. O neologismo pode ser dividido em dois tipos: o semântico, que é uma palavra dicionarizada, mas usada com um significado novo; e o lexical, que é uma palavra efetivamente nova. Dentre os neologismos lexicais, há o estrangeirismo, que é uma palavra emprestada de outra língua, para suprir a necessidade de nomeação de um fato ou um produto, que é, na maioria das vezes, novo também. O presente trabalho justifica-se, em primeiro lugar, pois a formação de neologismos nos confirma que a língua é como um organismo vivo, que vai, o tempo todo, criando novas palavras, à medida que seus usuários necessitam delas. O objetivo principal da pesquisa foi detectar e analisar os estrangeirismos existentes no corpus selecionado. Para atingir o objetivo proposto, foram feitas leituras teóricas sobre os estudos do léxico, principalmente sobre neologismos na língua portuguesa. Foi estudado, de maneira mais profunda, o estrangeirismo, que é um dos tipos de neologismos existentes. Também foram estudados outros textos que relataram experiências com a criação e o desenvolvimento de outros observatórios de neologismos em outras instituições de ensino. Após ter o domínio conceitual em relação aos estrangeirismos, selecionou-se o corpus de extração, que foram textos do período de janeiro de 2016 a junho de 2017, disponibilizados em uma coluna do professor de Educação Física, Márcio Atalla, no site da Revista Época. Todos os textos foram lidos com atenção para conseguir detectar os estrangeirismos. Após encontrar um candidato a estrangeirismo, este era sublinhado e colocado em uma planilha online, junto com o trecho onde fora citado e a data de publicação; em seguida, se pesquisava a palavra no corpus de exclusão, composto pelos dicionários Houaiss, Aurélio e Aulete e pelo Vocabulário Ortográfico da Língua Portuguesa – VOLP. Se a palavra fosse encontrada, a possibilidade de ser um neologismo lexical era excluída; se, mesmo encontrando a palavra, a definição do corpus de exclusão divergisse entre o significado do corpus de extração, a palavra era considerada um estrangeirismo semântico; e no momento em que se encontrava um neologismo de fato, criava-se uma definição para ele. Dos doze candidatos, dez foram considerados a estrangeirismos, os quais eram, em todos os casos, palavras vindas da língua inglesa que tinham relação com exercícios físicos e equipamentos de academia. Esse dado pode estar relacionado ao fato de muitos dos equipamentos e das técnicas de uma academia serem novos no Brasil. Pode-se notar também que, por não ter domínio dos termos vernáculos em relação à academia, a população brasileira apropriou-se de palavras inglesas, comprovando a hegemonia e o poder que a língua inglesa possui sobre a sociedade brasileira. Conclui-se que a língua portuguesa sofre influência da língua inglesa e que, por tal motivo, a maioria dos estrangeirismos da língua portuguesa origina-se de palavras inglesas.


Palavras-chave


Neologismos; Língua portuguesa; Estrangeirismos; Revista Época

Texto completo: PDF