Portal de Eventos do IFRS, MTC - Mostra Técnico-Científica 2019 IFRS - Campus Bento Gonçalves

Tamanho da fonte: 
Pesquisa(ação) no curso de extensão “Plantas medicinais recomendadas pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária - ANVISA e suas associações nas Práticas Integrativas e Complementares em saúde”
Artur da Conceição Camargo, Gabriely de Lima, Giovanna Mantelli, Matheus Augusto Moraes Bombassaro, Raquel Margarete Franzen de Avila

Última alteração: 25-02-2020

Resumo


A Política Nacional de Plantas Medicinais e Fitoterápicos (PNPMF) surgiu em 2006, porintermédio do Ministério da Saúde do Brasil, com o objetivo de garantir o acesso seguro e ouso apropriado de plantas medicinais e fitoterápicos para a população. Por meio dessaPolítica, também seria promovido o uso sustentável da biodiversidade, o desenvolvimentoda cadeia produtiva e o da indústria nacional. O Programa de Extensão das PlantasMedicinais (PEPM) - assegurado pela lei 5.813, Diretriz 3 - promove ações de educação nalinha da fitoterapia para a comunidade externa, atingindo, dessa forma, escolas,comunidades rurais e grupos de Estratégias de Saúde da Família (ESF), com umaabrangência de nível estadual. De 2015 até o ano atual, cinco unidades ESF do municípiode Bento Gonçalves foram contempladas com capacitações realizadas pelo Programa, comcertificações de trinta horas. Intitulado “Plantas medicinais recomendadas pela ANVISA esuas associações nas Práticas Integrativas e Complementares em Saúde”, o curso deExtensão advém de um acordo de cooperação entre o Campus Bento Gonçalves e aprefeitura do município, tendo como seu objetivo principal o fortalecimento das ações deeducação popular em saúde. Buscando mensurar a efetividade das capacitações realizadasa nível de Extensão, foi conduzida uma pesquisa nos territórios durante o mês de janeiro de2019, por meio da aplicação de questionários. Por meio dessa metodologia, osquestionários foram entregues pessoalmente dentro de envelopes para um total de trezeprofissionais, dentre eles enfermeiros e médicos, todos eles devidamente capacitados parafazerem uso de medicamentos e formulações da área da fitoterapia. Investigou-se osconhecimentos prévios sobre a fitoterapia em comparação com aqueles adquiridos após acapacitação, a relevância nas decisões para aplicação deste modelo de cuidado em saúde etambém a aceitação de profissionais da área agrícola como parte da equipe nos trabalhosde educação popular em saúde. Todos os questionários retornaram devidamentepreenchidos e os resultados indicaram que houve um diferencial no comportamentopraticado nos atendimentos antes e posterior à capacitação ofertada e, ademais, acontinuidade das ações de educação popular dentro da linha da fitoterapia. A cada ano, asdemandas do PEPM crescem, com destaque para as formações e inovações dentro dasáreas de plantas medicinais e fitoterapia, ocorrendo um estímulo para a criação de espaçosapropriados para informar e discutir os assuntos relacionados, buscando públicos distintos -como os constituintes do setor acadêmico, do de serviços e também da sociedade civil -fortalecendo, dessa forma, a propagação do conhecimento sobre a utilização correta deplantas medicinais.

Texto completo: PDF