Portal de Eventos do IFRS, MTC - Mostra Técnico-Científica 2019 IFRS - Campus Bento Gonçalves

Tamanho da fonte: 
Avaliação de diferentes tecidos para a separação simples de cera de favos de abelha
Kauana Beatriz Wenneker, Carolina Pilatti, Pedro Henrique Imperatori Fontana, Ana Carolina Possamai Rosa, Giovani Farina, Marleide Costa Canizares

Última alteração: 04-02-2020

Resumo


As abelhas melíferas produzem a cera a partir da secreção das glândulas cerígenas e a utilizam na construção de favos. O manejo de troca de ceras no apiário é essencial para evitar doenças apícolas e aumentar a produção de mel. Recomenda-se renovar em torno de 20% a 40% da cera existente no ninho anualmente, para que a rainha tenha sempre espaço para postura e reduza o comportamento enxameatório. A extração de cera por métodos simples é adotada por pequenos apicultores e proporciona uma redução dos custos no manejo de apiários. O objetivo deste trabalho é avaliar três tipos de tecidos para separação simples de cera utilizando o método de derretimento e filtragem submerso (decantação e filtragem em bolsa submersa). Os testes foram realizados no laboratório de bromatologia do Instituto Federal do Rio Grande do Sul - Campus Bento Gonçalves (IFRS – BG), utilizandose favos velhos e escurecidos oriundos do apiário da Estação Experimental de Tuiuty do IFRS - BG. Foram testados três tipos de tecidos: sacaria de algodão de malha fina, sacaria de algodão de malha grossa e não tecido de malha média. Amostras de favos sujos pesando em média 349,21 gramas foram acondicionadas no interior de bolsas de diferentes tipos de tecidos, agindo como filtro, utilizando pesos para mantê-las submersas em 4 litros de água. Utilizou-se o banho metabólico DUBNOFF para o aquecimento da água e separação da cera. A temperatura do equipamento foi mantida a 70ºC durante 180 minutos, para alcançar o completo derretimento da cera contida nos favos. Posteriormente as placas de cera bruta foram pesadas. Para o rendimento de cera bruta, foi considerado o percentual de cera obtida após o processo em relação à quantidade inicial. Os resultados foram analisados utilizando o programa estatístico SISVAR e os dados foram submetidos à análise de variância utilizando delineamento inteiramente casualizado (DIC), com três tratamentos referentes aos tipos de tecidos e seis repetições. A extração de cera bruta para o tratamento utilizando bolsas confeccionadas com não tecido teve rendimento de 36,25%, diferindo significativamente (P<0,05) dos tratamentos que utilizaram bolsas confeccionadas com tecidos de sacaria de algodão malha fina e sacaria de algodão malha grossa, que apresentaram rendimentos de 15,58% e 16,21%, respectivamente, não diferindo significativamente entre si. De acordo com os resultados obtidos, pode-se concluir que a utilização de bolsas confeccionadas com não tecido de gramatura média para extração de cera através de derretimento e filtragem submersa é mais eficiente, apresentando potencial para ser utilizado pelo apicultor, no intuito de otimizar o rendimento de cera.

Texto completo: PDF