Portal de Eventos do IFRS, Mostra Técnico-Científica 2018 - Campus Bento Gonçalves

Tamanho da fonte: 
Aspectos relacionados à adoção na região da Serra Gaúcha
Hellen Alcantara Milese

Última alteração: 04-02-2019

Resumo


Quando falamos em adoção, podemos levar em consideração sua importância social epsicológica, tanto para a criança quanto para os pais adotivos. Enquanto que para os pais, oprocesso de adaptação familiar e a dificuldade do processo jurídico tornam-se um caminholongo a ser percorrido, avaliamos as dificuldades passadas também pelas crianças naadoção. Nosso país possui altos índices de crianças abandonadas, fazendo-se necessárioestimular a adoção. Apenas 6% das crianças disponíveis para a adoção se encaixam emparâmetros procurados pelos pais, ficando assim um percentual de 87% de crianças semuma família. Isso se deve por apresentarem uma faixa etária maior que cinco anos de idade.Por isso, ampliar os estudos referentes a este assunto, buscando dados específicosregionais, torna-se relevante. O objetivo do trabalho é compreender as dificuldadesenfrentadas nos processos de adoção, além de divulgar e conscientizar as pessoas arespeito dos problemas psicológicos que as crianças enfrentam nos orfanatos esperandoencontrar uma família, e entender mais sobre os desafios enfrentados no processo deadaptação das crianças e jovens em novos lares. A pesquisa iniciou-se com estudosbibliográficos acerca do tema, que embasou a elaboração de questionários enviados atravésde formulários online dirigidos ao público geral e com entrevistas a orfanatos e pais queadotaram crianças. Envolveu também entrevistas com pessoas que tiveram experiênciaspráticas com o problema pesquisado (pais/candidatos à adoção). Elas revelam que osprocessos são lentos, de fato, mas como não registram perfis de adotantes no cadastro,tudo transcorreu com mais facilidade. Segundo dados do Conselho Nacional de Justiça(CNJ), em todo Brasil há 5.624 crianças aptas a serem adotadas. Para cada uma delas háseis adotantes (casais ou pessoas sozinhas) que poderiam ser seus pais (33.633), mas nãosão. Ocorre que, a maioria dos pais que desejam adotar, possuem restrições que, segundopesquisas, são quanto ao sexo (crianças do sexo masculino são mais “procuradas”), quantoa presença ou não de irmãos (cerca de 68% das crianças apresentam irmãos), seapresentam algum tipo de doença ou deficiência e, a principal, a idade da criança a seradotada (os adotantes geralmente preferem crianças menores por serem mais fáceis deeducar e ensinar os princípios, além de não lembrarem de seus pais biológicos).Procuramos também, com este trabalho, abordar uma questão muito importante, o processojurídico, que no nosso país ainda é lento, o que torna, muitas vezes, o processo de adoçãodemorado (o que pode explicar o fato de atualmente existir um número grande de criançasnos orfanatos para adoção, juntamente, com um número grande de pais interessados aadotar). Assim como a visão da sociedade sobre os processos de adoção. Nosquestionários respondidos foi possível observar o quanto é evidente o desejo de que osprocessos se tornem mais simples e ágeis, com vistas ao benefício das crianças.

Texto completo: PDF