Portal de Eventos do IFRS, Mostra Técnico-Científica 2018 - Campus Bento Gonçalves

Tamanho da fonte: 
Reciclagem de policarbonato encontrado em CD’s e DVD’s para a produção de óculos EPI e outros usos na engenharia civil
Felipe Andreolla Formentini

Última alteração: 04-02-2019

Resumo


O disco compacto (CD) e o disco de vídeo digital (DVD) são objetos que contém, entre diversas camadas, uma de policarbonato. Desde sua criação (1982), até o ano de 2002, foram vendidas 5,2 bilhões de unidades no mundo inteiro e menos de 10% dessas são recicladas hoje em dia. O policarbonato pode ser separado das outras camadas do disco, sendo usado para a reciclagem. Com isso em mente, o grupo teve como objetivo reutilizar o policarbonato encontrado nos CDs e DVDs para a criação de parte de um equipamento de proteção EPI (óculos de proteção de baixo custo, sem perder a qualidade que um óculos de segurança deve ter. Sendo indicado para trabalho em construção, usinagem e que oferecem riscos aos olhos, como partículas volantes devido a trabalhos específicos). A ideia da produção desse equipamento de proteção, visa não só construir acessórios com um bom custo-benefício, mas também diminuir o número de mídias enviadas a lixões e aterros, onde as mesmas perderão toda a sua serventia. Além disso, o processo de reciclagem pode vir a ser industrializado futuramente, gerando emprego e lucro por ser um processo de baixo custo. O mundo gera mais de 2,7 milhões de toneladas de policarbonato, ele é usado normalmente para criar utensílios domésticos comuns, tais como CDs, mamadeiras, lentes de óculos, smartphones e utensílios de cozinha. Os CD’s e DVD’s também tem um tempo de “vida inútil” nos lixões e aterros. O acrílico (uma das quatro camadas presentes no DVD), por exemplo, demora em média mais de 100 anos para se decompor. Por sua vez, o policarbonato demora cerca de 400 a 800 anos para se decompor totalmente. Logo após finalizarmos uma pesquisa de campo em lojas especializadas na venda deste tipo de material, confirmamos que nem as pessoas que trabalham diariamente com essas mídias tem conhecimento do descarte adequado. Foi o que nos motivou a realizar uma enquete entre os alunos da nossa escola. Percebemos que um número excessivo de CDs e DVDs não levam a destinação correta. De duzentos jovens (de 16 a 19 anos), 39 descartam essas mídias em lixo seco, 43 não descartam pois ainda utilizam, 66 guardam de lembrança ou não vêem necessidade de descartar, 51 não sabem onde descartar e 1 descarta em lixo eletrônico. No decorrer da pesquisa, o policarbonato e o acrílico foram extraídos manualmente, após a extração, lixamos a camada de acrílico até obtermos apenas o policarbonato. Derretemos a camada de policarbonato a 250°C, em um forno convencional, utilizando papel manteiga na parte inferior para não perder nenhuma grama do material. Obtivemos como resultado protótipos de policarbonato que ainda estão em processo de modelagem. Dos experimentos realizados, atingimos dois extremos. Moldamos um protótipo resistente porém com pouca transparência e um protótipo transparente sem a resistência necessária que um óculos EPI deve ter. Foi esse o motivo pelo qual mudamos o foco das nossas pesquisas e, como o policarbonato apresenta muitas qualidades, hoje procuramos reaproveitar esse material para o revestimento de paredes, telhados, estufas e outras utilidades na engenharia civil. O projeto ainda está em processo de desenvolvimento.

Texto completo: PDF