Portal de Eventos do IFRS, 19ª Mostra de Ensino, Pesquisa e Extensão IFRS Campus Porto Alegre

Tamanho da fonte: 
O Jogo dos Códons
Joseana Souza da Silva, Átila Machado Costa, Juliana Schimitt de Nonohay, Paulo Artur Konzen Xavier de Mello e Silva

Última alteração: 04-10-2018

Resumo


O Jogo do Códons

Joseana Souza da Silva, Átila da Silva Costa, Juliana Schmitt de Nonohay (orientador) Paulo Artur Konzen Xavier de Mello e Silva (Coorientador)

Afiliação: Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Sul – Campus Porto Alegre

joseanasouzas@gmail.com, juliana.nonohay@poa.ifrs.edu.br


O presente trabalho propõe apresentar a construção do jogo de tabuleiro e sua aplicação como uma ferramenta didática para o ensino de conceitos e processos relativos à área de Genética. Pensando nisso, foi criado o “Jogo dos Códons”. Este jogo é constituído por 1 tabuleiro, 4 peões, 1 dado de oito faces, 20 cartas com imagens de aminoácidos (carta-aminoácido), 30 cartas numeradas (carta-pergunta) e 8 fichas de cada um dos quatro ribonucleotídeo (A, C, G e U). O jogo tem como tema parte do processo de síntese de proteínas, visto que o aluno (ou grupo de alunos) deve sortear uma carta com a imagem de um aminoácido, colocar no seu peão, e conseguir responder corretamente três perguntas para ganhar as três fichas de nucleotídeos que compõem um dos códons que determina este aminoácido em um proteína. Imagens de mitocôndria, cloroplasto, retículo endoplasmático, aparelho de Golgi, núcleo e membrana plasmática foram escolhidas para ilustrar o tabuleiro, além da imagem de um ribossomo, ponto final do jogo, e dos quatro nucleotídeos que compõem os códons. Até o presente momento, o “Jogo dos Códons” foi aplicado em três turmas de três níveis de ensino: terceiro ano do ensino médio, curso técnico em Biotecnologia e curso de graduação em Ciências da Natureza. Na aplicação do jogo, as turmas foram divididas em 4 grupos (4 peões), as regras foram lidas e explicadas para os alunos. Nestas turmas, os bolsistas, do projeto vinculado ao desenvolvimento do jogo, atuaram como os coordenadores, explicando as regras e lendo as perguntas e alternativas de resposta. Na turma de nível médio foi aplicada lista de perguntas elaboradas sobre genética clássica, na de graduação sobre genética molecular e na turma de ensino técnico aplicou-se perguntas de outra área de conhecimento da biologia, cultura de tecidos vegetais. Após concluir o jogo, as perguntas foram entregues para cada aluno responder, na intenção do professor da turma trabalhar os conteúdos abordados nas questões. A utilização do jogo foi avaliada pela aplicação de um formulário, utilizando o formato de escala Likert (LIKERT, 1932). Estes dados estão sendo tabulados para análise em relação a viabilidade do uso do jogo como ferramenta de ensino em sala de aula, porém apresentando resultados preliminares satisfatórios e evidenciando que o jogo pode ser utilizado em diversos níveis de ensino e para diferentes áreas do conhecimento. O “Jogo dos Códons” mostrou-se, até então, eficiente e atrativo. O desenvolvimento deste jogo atendeu as expectativas e também o objetivo de auxiliar a superar as dificuldades dos alunos no entendimento de conteúdos que, muitas vezes, determina o desapego em relação a uma área tão importante das Ciências, como a Genética.

Palavras-chave: ensino, genética, jogos didáticos.

Financiamento/Apoio: IFRS.


Palavras-chave


Ensino, genética, jogos didáticos.