Portal de Eventos do IFRS, 3ª Mostra de Ensino, Pesquisa e Extensão do Campus Alvorada

Tamanho da fonte: 
ESTRATÉGIAS DE INTERVENÇÃO PARA REDUÇÃO DO ESTRESSE OCUPACIONAL
Mariana Signorini Hardt

##manager.scheduler.building##: Campus Alvorada
##manager.scheduler.room##: Sala 108
Data: 16-10-2018 07:00  – 08:30
Última alteração: 10-10-2018

Resumo


Introdução: A jornada de trabalho na área da saúde expõe o trabalhador a diversos riscos de saúde, que podem ter repercussão momentânea, bem como influenciar no aparecimento de doenças crônicas que acompanharão o trabalhador pelo restante da sua vida. O estresse é muito presente no cotidiano dos trabalhadores em geral e, por isso, é imprescindível o reconhecimento e a prevenção do mesmo, visto que pode levar à ocorrência de iatrogenias, bem como ao adoecimento ocupacional. A precarização do trabalho e da saúde do trabalhador pode tornar o trabalho automatizado, pois o trabalhador já não consegue lidar com tanto sofrimento físico e mental. Como consequências, temos o embrutecimento desses profissionais, ou seja, tornam-se cada vez menos sensíveis ao sofrimento e necessidades do outro, e a diminuição da qualidade de serviços de saúde afetando negativamente o paciente. Portanto, é fundamental que os empregadores da saúde estabeleçam programas de saúde para os trabalhadores, humanizando o trabalho e proporcionando apoio psicológico e social aos profissionais. Pouco se tem falado sobre as ações preventivas mais eficazes. Portanto, faz-se necessário um trabalho que identifique e desenvolva ações que possam aliviar o estresse no trabalho, assim melhorando o clima do ambiente, a qualidade do atendimento e das relações interpessoais, reduzindo o adoecimento ocupacional e aumentando a qualidade de vida do trabalhador da saúde.

Objetivo: Identificar quais ações, individuais e/ou coletivas, podem aliviar o estresse no ambiente do trabalho, a partir das visões de trabalhadores.

Metodologia: Estudo não randomizado do tipo quase-experimento, no qual será aplicado um questionário aos participantes para caracterização da amostra e perguntas que incluem a sugestão de ações para serem desenvolvidas que os trabalhadores acreditam que possa trazer algum prazer para o ambiente de trabalho. O estudo será desenvolvido em uma unidade de terapia intensiva (UTI) de um hospital filantrópico de Porto Alegre. Participarão da pesquisa os trabalhadores da área da saúde de diversas categorias profissionais alocados na UTI, dos turnos manhã, tarde e noite e que assinarem o Termo de Consentimento Livre e Esclarecido (TCLE).

Resultados esperados: Após análise dos questionários, serão selecionadas as ações mais citadas e que sejam factíveis para serem desenvolvidas neste espaço, considerando a rotina do trabalho. Por fim, será verificado o nível de satisfação dos trabalhadores sobre as ações desenvolvidas. Espera-se desenvolver um estudo que aponte ações eficazes para prevenção do estresse ocupacional.


Palavras-chave


Trabalho; Saúde; Doença ocupacional; Estresse ocupacional